Vem, anda comigo pelo planeta! Vamos sumir!!! Vitor Ramil

sábado, 8 de outubro de 2011

Infanto Juvenil

Infanto Juvenil é o nome de um belo encontro que acontece no Colégio Bonfim há alguns anos.
Quando aluna participava ativamente de todas as fases do encontro. Planejava coreografias, opinava na escolha da cor da camiseta, carregava cadeiras, tocava no dia, até teatro cheguei a fazer. Passava o dia na escola. Era tudo de bom! Mudava o clima, o ar ficava mais leve, mais inspirador. Passar horas com minhas amigas ajudando na escola era espetacular!
Esse ano vou participar de uma maneira diferente. Vou apresentar meus alunos. Mostrar o que aprendi na escola, nos encontros, nas atividades extra-classe de que sempre participei e o que estou fazendo hoje. Tem toda ligação!
Adoro ver meus alunos, felizes, por participarem de um projeto, por gostarem de música, de esportes... Foi o que eu sempre quis e fiz na escola!

Espero que o Infanto Juvenil deste ano seja tão legal quanto foram os que eu vivi como aluna!!!
"Saber cuidar"
"Pela Paz"
Ih, não lembro dos outros temas!!! Alguém me ajuda???

5 comentários:

Rutinha disse...

VALE A PENA VIVER.....com alegria,com amigos,com saúde,com satisfação,com......vamos pensando,o q nos faz FELIZES.......
Viti lembta do tamaguche???
Das danças,e as trancinhas,quanta invenção.....Como MÃE e professora era mt ver todos com tanta alegria e até confusão,mas mt criatividade,PENSANDO....Nossa EDUCAÇÃO precisa d criatividade....

Rutinha disse...

Sei que a vida vale apena.2011

Tiarles M. Rodeghiero disse...

Era massa!

Sair da rigidez da sala de aula para uma semana de atividades extra-classe. Tudo de bom! :D

Pena que o trabalho e toda mobilização não permitem que se faça o evento todos os anos; algumas palavras ditas nesses encontros fazem toda diferença na cabeça cheia de questões e dúvidas da gurizada. Eu via muitos colegas fazendo uma enorme resistência às palestras e atividades, mas no fundo todos gostavam e queriam ouvir.

E nesses encontros também tinha cachorro-quente, lembra? Nossa! A gente sabia que aquilo era um esforço enorme para dar para todo mundo, mas brincávamos que a cebola era cortada a machado e que um pedaço de salsicha gritava e o outro não ouvia! Hahahahahah
Mas a gente adorava e comia até acabar e lambia os dedos. Coisas que só são possíveis nesse micro-universo de cidade pequena. Coisa boa. Lembranças que guardarei para sempre...

E tinha o cachorro-quente da Dona Rute também! Era um dos lanches mais caros e eu comprava pouco, mas tudo q ela fazia era uma delícia. Eu gostava tanto dela que quando tinha barzinho da minha turma eu ficava com pena de fazer concorrência!
HAHAUAHAOAHAIAHUA

Só não curtia ser obrigado a assistir celebração religiosa - por mais ecumênica que fosse. O próprio esforço do pessoal em segurar todo mundo dentro do salão gerava tumulto e descontentamento. Acho que escola e religião deveriam ser instituições beeem desvinculadas, mas...

Rutinha disse...

Sei que a VIDA vale a pena-2011
Sabe que agora é tudo livre,não tem ninguém cuidando,quem quer assiste.
Acho que a religião,não deixa de ser uma boa palestra,pois os padres,pastores são ou pelo menos deveriam ser, pessoas mt boas,bem preparadas,gosto mt de ouvir esses profissionais,principalmente,hoje que estão bem mais modernizados,atualizados.Em Morro Redondo estamos mt bem servidos,ELES são MESTRES.
Vou na igreja quando temos guias inteligentes,se não,tb me aborreço.Aí é só rezar em casa.
Temos que receber algo novo e q nos convença,nos deixa BEM.Q fiquemos PENSANDO,nos acrescente.

Tiarles M. Rodeghiero disse...

É verdade!
Eu não sou contra religião, só sou contra a imposição dela na escola. As aulas de ensino religioso mesmo, são muito mal trabalhadas; acho que esses períodos deveriam ser dados ao professor de Filosofia, mas assim como as Artes Visuais e a Música, essa disciplina não é respeitada e fica relegada a segundo plano. Existem filósofos excelentes que trabalharam com religião, muitos deles padres/pastores... É interessante mostrar todos lados da moeda.

A igreja tem um papel importantíssimo para fazer as pessoas pensarem, refletirem e verem que "VALE A PENA VIVER", mas essa necessidade de auto-reflexão nem sempre fica clara para os fiéis e tem gente que só vai lá e volta para casa fazendo as mesmas coisas. Nesse ponto que eu acho que a Filosofia é interessante. Filosofar implica em pensar e refletir sobre as coisas. Rezar, não necessariamente.